Anúncios | Artigos | Galeria |  Fórum   | Eventos | Utilizadores | Top | Raças | Diários | Quem?

Utilizador:
Password:
Memorizar-me


== ARTIGOS ==
Site Felinus
Lazer
Entrevistas
Clipping
BD
Newsletters
Encontros
Ajuda
Notícias
Sobre o Site
Informação
Raças
Conselhos
Legislação
Notícias
Campanhas
Crónicas
Histórias Felizes
Ficção
Humor
Opinião
Livros
Revistas
Filmes
Lojas
Veterinários
Alimentação




Artigos  » Informação » Conselhos

Adoptar um Gato Adulto

Infelizmente, são muitos os gatos adultos que esperam ansiosamente por uma nova oportunidade de sentir que pertencem a um Lar.

Todos sabemos que o abandono é um flagelo ao qual campanhas de sensibilização e os alertas não conseguem colocar um fim. Por motivos diversos e incompreensíveis, donos irresponsáveis e que sem dúvida nunca foram capazes de realmente amar o seu animal de estimação (afinal, se sentissem algum amor, ainda que pouco, certamente nunca cometeriam o acto ignóbil de o abandonar), descartam-se com enorme facilidade do seu gato (ou cão), afastando-se alguns quilómetros de casa, abrindo a porta do carro e dizendo até nunca. E por incrível que lhe possa parecer, muitas vezes vão de seguida tirar férias, descansados e sem o mínimo remorso ou peso na consciência.

Não se lembram que deixaram entregue à sua (má) sorte, um ser vivo, e que por ter sido um animal de casa, tem muito menos possibilidades de se defender dos inúmeros perigos que a vida na rua representa, do que aqueles que nasceram na rua e nunca tiveram um lar.

Há também abandonos que resultam de motivos de força maior (a morte do dono, o seu internamento por doença grave….) que são muito mais raros e que não representam percentagem significativa do problema.

Por vezes estes gatos têm uma sorte (relativa) e são recolhidos por amigos dos animais, voluntários ou não de associações protectoras, que os recuperam, tratam quando doentes e se esforçam desesperadamente por lhes encontrar um lar.

Por vezes são entregues nas associações protectoras dos animais abandonados, mas esta solução não pode deixar de ser provisória: não é justo para o animal que o resto da sua vida se passe fechado dentro de um espaço limitado.

É particularmente doloroso ver animais que tiveram um lar, que foram habituados a ter alimentação e abrigo, ficarem privados eternamente, muitas vezes até à morte, do conforto (físico e psicológico) a que foram habituados.

Muitas pessoas não adoptam um gato adulto porque têm alguns receios, ou até mesmo porque a falta de informação as leva a considerar que não têm condições para o fazer. São alguns desses medos e preconceitos que procuramos debater aqui.


  • O gato adulto não é meigo:

  • É muito frequente as pessoas associarem a ideia de um gato adulto, com alguma agressividade e distância; nada mais falso; um gato abandonado que tenha sido recolhido e acarinhado, em regra, é extremamente dócil e carente; o gato sofre com o abandono; precisa de voltar a ter atenções e festas de uma mão amiga; se adoptar um gato adulto, vai certamente receber o amor incondicional do seu novo amigo; pode acontecer que o gato, se foi sujeito a grande violência, ou se permaneceu muito tempo fechado num gatil, se torne mais assustado e se isole; no entanto, são vários os relatos de situações destas em que, com dose reforçada de mimos e atenção, se consegue conquistar o coração do novo amiguinho, demonstrando-lhe que ele está seguro e que nem todos dos humanos são maus; mas sublinha-se que quase todos os gatos adultos que se colocam para adopção, são extremamente meigos.


  • O gato pode estar cheio de doenças contagiosas:

  • É verdade que quando são abandonados, os gatos ficam sujeitos a contrair doenças, contagiosas ou não. No entanto, os gatos recolhidos abandonados são tratados, desparasitados e quase sempre têm os testes do Fiv e Felv efectuados. O contágio destes vírus, só ocorre entre gatos e não existe qualquer perigo para os humanos, razão pela qual, por si só, não deve ser um impedimento para que o gato não seja adoptado (por exemplo, se não tiver mais nenhum gato ou por uma pessoa que tenha gatos com o mesmo vírus).
    Assim, se está interessado em adoptar um gato adulto, não deixe que o medo da eventual existência de doenças contagiosas o impeça. Fale com a pessoa que trata e cuida do animal em questão e informe-se sobre a sua saúde.

    O risco é muito reduzido. E como verificará, são muitos os animais que já têm os testes efectuados.



  • O gato adulto não me vai reconhecer como novo dono:

  • Ao contrário do que muita gente pensa, o gato, tal como o cão, reconhece o dono; numa casa com um agregado familiar mais ou menos numeroso, ele vai sempre identificar algum como o dono da sua eleição. Tendencialmente, a pessoa que lhe dá mais atenção, que o trata e o mima.

    Isso acontece independentemente da idade do animal, seja bebé ou adulto. Quando entrar no seu novo lar, ele vai ter que procurar uma referência humana. Por isso não tem que se preocupar com esta possibilidade: o seu animal vai amá-lo sem condições.


  • O gato adulto vai marcar o território:

  • Com frequência os gatos adultos que são colocados para adopção já foram castrados ou esterilizados, ou pelos voluntários que os recolheram, ou pelas associações de protecção. Esta medida permite que os animais deixem de marcar o território e evita que se reproduzam. A marcação do território está fortemente associada aos períodos e cio, que se eliminam com esta intervenção cirúrgica.

    Se por acaso adoptar um gato adulto que não esteja esterilizado/castrado, pense seriamente nesta possibilidade, por um conjunto diversificado de factores que qualquer bom veterinário não deixará de lhe explicar. Se optar por um gato bebé, não se esqueça que vai correr o mesmo risco da marcação territorial, quando ele crescer, que pode, como viu, eliminar



  • Tenho mais gatos e vão andar à bulha:

  • A introdução de um novo gato, seja o segundo, o terceiro ou o enésimo, tem que ser feita de forma gradual. Os gatos gostam de pensar que são seres superiores e que os seus domínios se estendem até onde o seu olhar pode alcançar. Mas a verdade é que adoram a companhia de outros animais da mesma espécie, com quem possam brincar e comunicar (já se imaginou a viver uma vida inteira com seres que não falassem a mesma língua?). A reacção inicial à chegada de um novo animal, salvo algumas excepções, é sempre de grande tensão. O(s) gato(s) da casa vai sentir ciúme e por isso, recomenda-se que nos primeiros dias os gatos não fiquem juntos sozinhos. Deve tentar a aproximação, quando estiver presente, para controlar eventuais ânimos mais exaltados. No espaço de 1 ou 2 semanas e por vezes até em menos tempo, a aproximação vai ocorrer e quase sempre os animais acabam por se tornar grandes amigos.

    Uma reacção mais negativa pelo facto de o novo elemento ser adulto e não bebé, pode acontecer, mas não é linear. Inclusive, há casos em que gatos adultos foram mais bem aceites, mas isso varia de gato para gato. Uma coisa é certa, mais dia, menos dia, a regra é que possa contar com uma família feliz. E se só tem um gato, lembre-se que é muito importante para ele ter a companhia de “um igual”.


  • Tenho medo que o gato fuja por não conhecer a nova casa:

  • Naturalmente que o novo gato vai ter uma reacção inicial de estranheza, face a um ambiente que é totalmente novo. O perigo de que ele fuja se encontrar uma porta ou janela aberta é real, mas o mesmo perigo existe também para um gatinho bebé.

    Um dono responsável é aquele que toma as devidas precauções em matéria de segurança, para garantir que o seu animal não vá para a rua.

    Mesmo com todas as cautelas, por vezes acontecem alguns imprevistos e por isso, é fortemente recomendado que coloque um chip de identificação no seu animal de estimação, que lhe permitirá maior tranquilidade em caso de o seu gato se perder. A colocação do chip é feita no veterinário, é relativamente barata e praticamente indolor (é colocada com recurso a uma seringa, como se tratasse de uma vacina). Também é conveniente não esquecer o tradicional método de identificação: uma coleirinha (sem guizo, que deixa o seu gato completamente maluco) com chapa e telefone.

    Quando o novo gato chegar a casa, por favor tenha particular atenção às portas e janelas, e caso tenha jardim, nas primeiras 4 ou 5 semanas, pelo menos, não permita que ele vá passear lá fora, por muito convincentes que sejam alguns miados lamentosos (os gatos são espertos e sabem utilizar as diferentes vocalizações que podem fazer, para convencer o dono a fazer o que ele (gato) quer). Nada substitui a segurança do lar e o gato vai acabar por se habituar à nova casa muito mais rapidamente do que espera.


  • O gato bebé ensina-se mais facilmente do que o adulto:

  • Os gatos aprendem o que lhes interessa e fazem-no em qualquer idade; ele vai aprender um novo nome, a higiene é algo de natural, que não precisa de aprendizagem. As palavras interessantes como “hora da comidinha”, “peixinho”, “bola de brincar”, “toma”, “hora da caminha”, parecem mágicas para os nossos gatinhos (sobretudo se eles não estiverem a meio de um sono profundo que, como sabemos, é sagrado). Por isso, tudo aquilo que pode ensinar a um gatinho bebé, pode também ensinar a um gato adulto, sem que a dificuldade seja acrescida.


  • Tenho uma criança e por isso é mais seguro um gato bebé:

  • Um gato bebé assusta-se mais facilmente do que um gato adulto e por isso mesmo, é mais imprevisível. Quer para o gato, quer para a criança, a relação pode ser mais problemática. As crianças têm tendência para apertar tudo o que mexe, e não têm noção da dor que isso causa (o que também acontece com gatinhos bebés, que não sabem medir a força nas suas brincadeiras).

    Por isso é mais frequente que ocorram pequenos acidentes domésticos com gatos bebés, do que adultos, que evidentemente podem e devem ser controlados pela companhia dos adultos e a aprendizagem na forma de relacionamento.


  • Tenho um cão e é difícil um gato adulto habituar-se:

  • Alguns gatos adultos, pela sua vivência, não suportam cães. Alguns cães, pelos mesmos motivos, não suportam gatos. Mas são muito frequentes relações de amizade ou de indiferença entre estas duas espécies.

    Se o seu cão não odeia gatos, há muitos gatos adultos que sempre conviveram com cães e que não constituirão qualquer problema. Por isso, trata-se apenas de perguntar a quem tem o gato a seu cuidado, como é que ele reage aos cães.


  • Gosto mais dos animais quando são pequeninos:

  • Se realmente pensa assim, talvez não seja oportuno adoptar um animal. Não se esqueça que todos os animais crescem. Deixam de ter a gracinha de bebés, para passarem a ter o encanto da maioridade.

    Muitos dos animais abandonados que vemos nas nossas cidades, estão na rua porque cresceram, cumprindo a lei natural da vida. As pessoas que os tinham não se lembraram desse “pequeno” pormenor quando os adquiriram (gratuitamente ou não).

    Claro que tal não significa que se condenem todas as pessoas que gostam de animais pequeninos, mas apenas aquelas para quem eles só existem durante esse estádio e se limitam a descartar deles quando crescem.

    É normal que se goste de um animal bebé, porque tudo neles é encantador. É preciso é que ao olhar para o bebé, se consiga imaginar o adulto, e se diga em consciência: este é mesmo o amigo que vai partilhar a vida toda comigo.






    Para além de tudo o que já foi esclarecido, julga-se ainda alertar para algumas vantagens que se encontram associadas a um gato adulto:

  • são animais com o seu temperamento formado; quando leva um gato adulto, sabe que ele tem aquele temperamento que lhe for descrito; no caso dos gatinhos bebés, ainda é uma incógnita, e pode levar um doce de gatinho, ou um pequeno terrorista; um grande comunicador, ou um filósofo circunspecto;


  • são mais calmos e pachorrentos, e portanto uma opção que deve ser fortemente ponderada por quem não tem muito tempo para brincar com um gatinho bebé, que exige muito mais atenção e disponibilidade por parte do dono;


  • frequentemente, encontram-se já castrados e esterilizados, o que não deixa de constituir menos uma preocupação para o novo dono.






  • Por tudo o que acaba de ler, se ama os animais, se para si, mais importante do que assistir às gracinhas dos bebés, é encontrar um amigo que retribua o amor que tem para lhe dar, então será um excelente dono para qualquer um dos gatos adultos que esperam, por vezes meses e até anos, que alguém volte a olhar para eles como seres vivos, dignos de respeito e merecedores também eles, do conforto de um lar e carinho de um dono amigo.

    Veja os animais que estão na base de dados e ponha de lado preconceitos. Agora que algumas das questões que se lhe colocavam tiveram uma resposta, vá em frente. Escolha o gato do seu coração.



    Lembre-se que o sucesso de uma adopção, quer de um gato bebé, quer de um gato adulto, residem, sobretudo, no amor e carinho que vai dedicar ao seu novo amigo. Ele vai retribuir como melhor sabe: turrinhas, ronrons, e uns olhos lindos, sempre inquietos e inquisidores, que lhe vão dizer o quanto ele lhe agradece por lhe ter dado a oportunidade de partilhar o seu mundo.

    (nota: por lapso, por vezes refere-se neste texto que o ser humano é o dono do gato. A correcção impõe-se: é o gato que todos os dias, serena e discretamente, se torna dono do coração do humano que o acolheu)


    Autor: Adélia Costa

    Folheto para Impressão:
    Capa Miolo

    - Mastah (Paulo Azevedo) [ Europe/Lisbon ] 2003/08/05 20:31

    Versão para Impressão Enviar a um amigo

    » Dsantos ( Dsantos) » [ Europe/Lisbon ] 2011/08/23 17:19
    Olá! Gostei do texto, embora me tenha suscitado uma questão que se prende mais com as minhas vivências. E se o gato adulto vier directamente da rua e for ainda muito arisca? Será que se vai habituar a viver confinado numa casa, ainda que a mesma tenha algum espaço? E como se dará com outro gato, já habituado a casa, ainda para mais se for do mesmo sexo? Refiro-me, mais concretamente, à convivência de duas gatas adultas. Tenho sempre ouvido dizer que tudo será mais fácil se forem de diferentes sexos. Faço estas questões pois alimento alguns gatos de rua ariscas e tenho muita pena em particular de uma que, se a conseguir apanhar, gostaria de levar para casa. Mas, em casa, já tenho uma outra gata (há cerca de dois anos que, ainda por cima, tem uma devoção muito grande por mim). Também veio da rua.

    » scooby ( beto) » [ Europe/Lisbon ] 2008/07/29 16:03
    eu adptei um gato que o abandonaram e sou incapaz de o abandonar nem que nao fosse de férias mas felizmente encontrei um sitio para ir de ferias que aceitassem animais.Assim vai poder vir!

    » sonialoureiro ( sonialoureiro) » [ Europe/Lisbon ] 2008/06/20 22:23
    Sou a Feliz recém-dona de uma menina de 10 anos, e quero partilhar a minha felicidade: nunca tomei uma decisão tão certa. A minha Shaulin viveu 10 anos, sem conforto, sem cuidados, sem carinho. Tenho mais 4 meninos, todos uns amores à sua maneira, mas nenhum é tão doce como a Shaulin. Todos adoptados com menos de 1 ano, deram-me imenso trabalho com a educação deles, já a Shaulin não me dá trabalho nenhum (sim, os outros ainda asneiram muito e o mais velho está com 4 anos), quer muitos miminhos e atenção e asneiras nem vê-las.

    Por isso, adoptem adulto mas não se esqueçam dos Séniores. Sim, porque a Shaulin tem 10 anos, já fez as análises todas e está super saudável e ainda me pode dar mais 10 anos de doçura sem traquinices e touradas.

    Adoptem séniores!!

    » ti_cha_21@hotmail.com ( carla) » [ Europe/Lisbon ] 2008/05/20 11:01
    GOSTEI MUITO . ADOREI A PARTE DA : GOSTO MAIS DOS ANIMAIS QUANDO SAO MAIS PEQUENOS RESPOSTA : MAIS VALE NAO ADOPTAR ANIMAL NENHUM ,... UMA GRANDE VERDADE ... TUDO CRESCE smile.gif

    » DiDi ( Diana) » [ Europe/Lisbon ] 2007/08/31 14:08
    Adoptei um gatito adulto (o Niko) na UZ e não estou nada arrependida, muito pelo contrário. Parece que ele reconhece que lhe faz bem e a gratidão por lhe dar-mos carinho e amor!!! Sempre que olho para os lindos olhos amarelos quase que juro que me dizem "Obrigado por me teres adoptado"... mas claro que isto também já sou eu a imaginar smile.gif

    » patrícia carla ( Patrícia Carla Batista Silva) » [ Europe/Lisbon ] 2007/01/25 19:08
    Eu tenho dois gatos - o Edgar e a Nefertiti - ele tem seis anos e meio e ela cinco.
    O Edgar apareceu na minha vida por acaso, cruzando-se no meu caminho numa noite fria de Inverno. Andava a fuçar no lixo, à procura de comida...Desde o instante em que nos conhecemos que nunca mais nos largamos! Ele tinha entre 8 a 12 meses (pelo que disse o veterinário). Passados 6 meses de o ter comigo, decidimos (eu e o meu namorado) adoptar outro gatito para fazer companhia ao Edgar. Desta vez foi uma gatita tuga, a minha querida Nefer, que estava a ser "oferecida" numa loja de animais, com cerca de mês e meio. Nunca me hei-de esquecer das palavras do dono da loja "já dei os irmãos todos e ela (gata) não há maneira de ir; também é tão feiosinha!" Não foi preciso dizer mais nada...trouxe-a comigo! O Edgar recebeu muito bem a pequena gatita e a partir daí tornaram-se grandes amigos e companheiros de folia! Mas, porque é que decidi contar-vos a história dos meus "meninos"? Para vos dizer que o Edgar, o gatito errante e de rua se tornou no maior tesouro da minha casa. Amigo, companheiro, às vezes até é chato de tanto querer colo humano...ao passo que a "menina" que trouxe para casa ainda bebézinha é uma mimada e ingrata, não se dá com ninguém (só comigo!). É claro que eu a adoro, mas tenho pena que ela seja assim, tão anti-social, até porque se não fosse por ela eu já tinha adoptado mais um ou dois, ADULTOS!!! Vejo diariamente nos olhos do meu gato o agradecimento e o amor que tem por mim por tê-lo tirado da rua!

    » sbatista ( Susana Batista) » [ Europe/Lisbon ] 2007/01/03 11:10
    Eu Adoptei um gato adulto e foi umas das melhores coisas que me aconteceu !

    » taniamedeiros ( tania goulart) » [ Europe/Lisbon ] 2006/07/28 19:53
    gostaria de adopat um casal de gatos adulto. goulart_262@hotmail.com

    » Cristinarino ( Cristina Rino) » [ Europe/Lisbon ] 2005/08/31 01:38
    Já adoptei 4 gatas adultas. Não tive qualquer problema com a adaptação delas à casa nem dos animais já residentes às recem-chegadas. Duas foram adoptadas com 1 ano e tal, outra tinha cerca de 3 anos e agora a mais recente e que está comigo há 2 meses, já tem cerca de 10 anos.
    Tudo tem a ver com a nossa atitude perante os animais.
    Aconselho a quem se deparar com uma situação dessas que não hesite. Terá as suas recompensas...

    » anajorge ( Ana Antunes) » [ Europe/Lisbon ] 2005/06/15 17:24
    Li o texto com toda a atenção e de seguida os comentários.
    Estou (já não sei se ainda estou) com vontade de adoptar um gato bébé para a crescer com a minha neta porque tinha também a ideia que seria mais fácil com um gato bébé.
    A minha experiência com gatos foi muito simples porque o Negrito nunca estragou nada, veio com cerca de mês e meio, de seguida veio a Mimi que teria à volta de dois meses. Adaptaram-se muito bem ou ao outro e posso dizer que nunca estragaram nada, tenho os sofás, as portas, as paredes tudo em bom estado. Quando os dois já eram adultos o meu filho mais novo trouxe da rua o Malhinhas que é super dócil e que se adaptou lindamente aos meus. O meu receio era o Negrito que é mais refilão mas também é verdade que não estavam sózinhos durante o dia logo a adpatação foi feita junta, eu ainda nem sabia do método da casa de banho. Acho que fui uma felizarda com os meus meninos.
    Começei a refletir mais por causa da minha neta que sem querer vai com certeza agarrar o gatinho bébé e provávelmente assustá-lo. O Negrito e a Mimi fogem dela que ainda não conseguiu fazer-lhes uma festa. Parece que adora já estão a aproximar-se mais mas também é preciso dizer que ela tem 21 meses. Não tenho qualquer preconceito com gatos adultos ou cor mas realmente achava que seria engraçado a minha neta crescer junto com um gato. Afinal se calhar estou enganada e será melhor arranjar um adulto. Vou pensar bem no que vou fazer até porque ainda tenho que ver bem como vai ser com mais um peludinho em casa. Gosto deles bem tratados com tudo o que isso implica. Parabéns pelo texto.

    » isabelmarques8 ( isabel marques) » [ Europe/Lisbon ] 2005/06/01 00:12
    Foi devido a ste texto que nos decidimos a adoptar um gato com 3 anos, o Simba. não poderiamos ter melhor companheiro. Contudo a sua junção à nossa Maria tem sido ardua e dificil. Já lá vão quase 3 meses e apesar da redução da tensão ainda não há bonança à vista. Obrigada Adélia, obrigada felinus

    » netinho ( Sílvia Neto) » [ Europe/Lisbon ] 2004/12/31 11:48
    Eu adoptei o Nino (ou melhor ele que me adoptou a mim..... wink.gif ), mas sinceramente acho que terei mais "problemas" com os "supostou outros donos do nino" do que com o gato propriamente dito.

    » Vanda Jorge ( Vanda Jorge) » [ Europe/Lisbon ] 2004/12/14 09:47
    Foi este texto que nos fez decidir adoptar um gato adulto. E estamos imensamente felizes com o nosso querido Jimmy. Ao adoptarmos um gato adulto, já temos uma noção mais real do seu comportamento. Não estraga nada, é meigo e brincalhão. O que mais podiamos desejar ?? wink.gif

    » selenis ( Rute) » [ Europe/Lisbon ] 2004/11/29 10:52
    ja agora, compramos um arranhador para o teco porque ele resolveu que o tapete novo da sala era um optimo sitio par afiar as unhas... mas ele nao lhe liga nenhuma, alias, parece que tem medo :s ja tentamos po-lo la, passar-lhe as unhas na corda, e nada... sera que nunca vai pegar naquilo?

    » selenis ( Rute) » [ Europe/Lisbon ] 2004/11/29 10:51
    parabens pelo texto! penso que de facto acaba com alguns preconceitos que ha por ai!

    o teco veio para casa com 2 meses, mas nunca foi de fazer estragos.

    O snif, apesar de cao, qd o trouxemos tinha 8 meses, ja era grande, mas nem por isso se adaptou menos a nos! pelo contrario, acho que o medo de nos perder e que o faz ser tao meiguinho e as vezes melguinha wink.gif

    a adoptar, adoptaria um adulto, mas tinha que gostar de caes, que o snif adora gatos! o pior e que eles nem sempre o adoram a ele...


    » JaneTaborda ( Maria) » [ Europe/Lisbon ] 2004/11/25 03:01
    Tem que ter um arranhador próprio e ensina-la. Dê-lhe mimos quando ela arranhar no arranhador e diga não, tirando-a quando for arranhar no sofá e leve-a para junto do arranhador. Com o tempo aprende.

    » fatima_grande ( maria fátima vieira) » [ Europe/Lisbon ] 2004/10/26 14:11
    É realmente...porque não um gato adulto? Eu herdei uma gata linda a NICHA, tem 12 anos, isto porque a minha mãe morreu, eu nunca conseguiria abandonar a NICHA, nem outro animal, só que ela apesar de me conhecer é arisca, arranha tudo e morde...e tenho também um cão (mas esse não deve dar problema, porque ele até gosta de gatos).
    Há algo que se possa fazer para evitar que ela vá arranhar os meus sofás de pele novos....O meu marido mata-me....Ele não gosta de gatos, mas vai passar a gostar porque eu vou trazê-la, não sei bem como, mas vou...

    » Alexandra Melo ( Alexandra Melo) » [ Europe/Lisbon ] 2004/10/19 18:08
    Morei na Holanda e la adoptei um gato adulto,o Simao,k é o amor da minha vida (ate o meu namorado tem ciumes)apaixonei-me por ele assim k o vi na altura tinha 10 anos.Dp d voltar a Portugal fui a UZ e adoptei o Balu tb um gato adulto,k é lindo e é o gato mais esperto k eu ja conheci,p fazer companhia a minha gata k ja existia em casa dos meus pais,a Bianca,nesta altura ja adulta mas k adoptamos kd era bebe.Se tivesse mais espaço ia buscar mais gatos adultos a UZ ou outra instituiçao.

    » ana garrido ( ana garrido) » [ Europe/Lisbon ] 2004/07/09 19:45
    Parabens pelo trabalho que tem desenvolvido. É de facto louvável. Tenho duas gatas: uma adulta que me foi dada pela Ana Ramos (obrigada, Ana), e outra que adoptei bebé. A Minnie (Amarelinha na UZ) é sem dúvida uma gata que passou muito maus bocados e isso reflecte-se em alguns dos seus comportamentos. No entanto, desenvolveu um carinho e afeição pela família adoptiva, como nunca pensei que um gato fosse capaz ( e já tive vários!!!!) É incapaz de ter um comportamento incorrecto connosco, esforça-se ao máximo! Já a pequenina, apareceu abandonada na garagem e lá ficou por casa...é uma gata bebe e está tudo dito, é uma traquinas! Mas definitivamente, quando voltar a adoptar, adopto um adulto!!!

    » clauporto ( Claudia Porto) » [ Europe/Lisbon ] 2004/06/18 05:49
    Adorei o texto, já adotei vários adultos, entre eles duas gatas bem velhotas ( a Debbie que tinha passado dos 15 e a Nikita com 10 ), e posso dizer que prefiro adultos a filhotes... Não dão trabalho, são tranqüilos e muito gratos por os termos adotado !!!

    » PMSilva ( Patricia Manuela Pereira da Silva) » [ Europe/Lisbon ] 2004/05/11 12:47
    bem ....a ultima adopção que ocorreu lá em casa foi a Velhinha(ou Pluminha) de 16 anos(mais coisa menos coisa...)

    » Rowan ( Ísis Calió) » [ Europe/Lisbon ] 2004/04/17 14:51
    Agora adoptamos uma gatinha de 7 anos.... e n me arrependo... smile.gif É sempre bom darmos chance aos mais velhos!!! :-D

    » leonor ( Leonor Azevedo) » [ Europe/Lisbon ] 2004/01/07 18:23
    Pois é, se soubesse o que sei hoje, não sei se alguma vez teria adoptado um gato bébé. Claro que são a coisa mais fofa do mundo, mas o trabalho que dão e as coisas que espatifam são demais. O Oriano (Silvestre) é o máximo, o pretinho mais lindo que há, estou bem contente de o ter trazido comigo. Imaginem que já pesa 5,5 Kg. Estará a comer demais ? É muito calmo. Passa o dia a dormir na cama da minha filha entre o endredon e os cobertores (esperto !) e não dá trabalho nenhum. Que diferença do desassossego que foi a adopção do Nicolau, que tinha só 1 mês. Até ele acalmar, andou tudo num virote.

    » Rowan ( Ísis Calió) » [ Europe/Lisbon ] 2003/12/30 14:30
    Por experiencia propria... Eu n me arrependo nem um pouco em ter pego a Puma (uma gata q veio da UZ com mais ou menos 1 ano e pouco)... ela é super educadinha... sabe quando faz porcarias, e sempre nos respeita... Eu acho q foi a melhor coisa para nós (eu e o meu marido), pois n tinhamos tempo para cuidar de um bebé, pois eles precisam de mais atenção (aonde fazem as porcarias, o q resolvem destruir, o q querem...) a Puma já veio muito bem ensinada... eu n sei se foi por medo de ser rejeitada... mas ela nos respeita muito... e sempre atende... :-D amamos a nossa filhota!!! Quando vimos ela no site sabia q era ela q eu queria, mesmo adulta... foi amor a primeira vista!!! Os adultos tambem merecem carinho como os bebés...

    » Ana Ramos ( Ana Ramos) » [ Europe/Lisbon ] 2003/11/01 23:37
    E hoje uma criança chegou lá com o pai 8ainda bem jovem) e disseram queremos um adulto... Não foi vanos convender foi eles chegarem e o pai querer um adulto. Ali não houve questão de côr nada foi a que fez o miudo sentir-se confortavel. Miudos assim serão bem diferentes do filho da fulana que trabalha com a Fátima... Pai super querido... e criança querisa, educada e adorando os animais e palavras mágicas,,, vimos buscar um adulto... Levaram a Chérie gata dooooce.

    » Ana Ramos ( Ana Ramos) » [ Europe/Lisbon ] 2003/09/07 00:15
    E hoje mais um adulto saiu e outro ontem. As pessoas vão a pouco e pouco perdendo os preconceitos. Mas continua-se a ouvir como hoje "gato preto nem pensar...." foram 3 pessoas a dizer isso... Fico tão triste. Leonor até nisso foi diferente.

    » terry ( Teresa Jacinto) » [ Europe/Lisbon ] 2003/09/05 14:50
    Adélia, também te quero dar os parabéns! O texto está óptimo. Muito claro e diz tudo o que precisa ser dito. Também posso testemunhar, na primeira pessoa, o que é adoptar um gato adulto. A Inca já era adulta quando veio para minha casa (embora talvez não fosse tão velha quanto eu pensava) e não podia ter encontrado gatinha mais doce.... Gosto de acreditar que foi o destino que me levou à UZ naquele dia e que me fez traze-la. Eu, que até queria era um gatinho bebé.... A quem está ainda com dúvidas só posso aconselhar uma vizita à UZ ou a qualquer outro gatil de acolhimento de gatinhos.... verão com os vossos próprios olhos o que a Adélia tão bem definiu com palavras....

    » Sasha ( RaquelL) » [ Europe/Lisbon ] 2003/09/04 17:16
    Adélia, gostei muito de ler o teu texto e de, através dele, saber notícias do gato Oriano, adoptado pela Leonor. A Malu, que veio para minha casa em Julho, estava no mesmo gatil do Oriano e da Daisy (os 3 muitos carentes, aliás como todos os outros, só que uns mais tímidos, outros mais bravinhos...). Espero que muitos outros tenham a mesma sorte!

    » Ana Ramos ( Ana Ramos) » [ Europe/Lisbon ] 2003/09/03 23:35
    Adélia o artigo está óptimo e fiquei super feliz ao ler sobre o Oriano (olá Leonor sou a ana que o entregou) e só gostava que mais pessoas lhes dessem uma oportunidade. Ainda lá estão uns que é uma loucura e uns pretos e brancos que fazem patinhas só de lhes falarmos. E a Daisy há 8 anos lá esquecida. Eu agora e sempre só adultos e agora até na base dos velhotes. DEstes 33 que tenho só 5 vieram bebes. Alguns vieram com 10 anos e mais como a querida Augusta.
    Obrigada a todos. Obrigada Adélia. Obrigada Leonor

    » fabriro ( Fátima Rodrigues) » [ Europe/Lisbon ] 2003/09/03 23:21
    De todos os comentários (optimos) dou destaque ao da Leonor Azevedo. Que bom saber que estes textos escritos de forma simples mas muito elucidativa surtem efeito -)))) Esperemos que muitas Leonores apareçam depois de o ler. Parabens Adélia!

    » Filipa Bastos ( Filipa Bastos) » [ Europe/Lisbon ] 2003/09/03 23:10
    Só hoje li este texto e não quis deixar de testemunhar que está extremamente bem escrito, para além de conseguir o efeito desejado. Não que eu precisasse de ser convencida, mas se fosse esse o caso, já o estaria! smile.gif

    » leonor ( Leonor Azevedo) » [ Europe/Lisbon ] 2003/08/22 16:58
    Depois de ler este artigo decidi-me e no passado dia 16 fui à UZ buscar um gatinho adulto para fazer companhia ao que já tinha à 3 anos. Era o Oriana, aquele que ao principio pensaram ser fêmea mas que afinal era um macho castrado. Ele é muito dócil, meigo e está a adaptar-se bem. Come que se farta, é muito brincalhão e já faz sestas ao meu colo embora se note que ainda não descontrai completamente. Mais uns dias e vai-se sentir em casa. Obrigada. Leonor Azevedo.

    » Pricia ( Patrícia F.) » [ Europe/Lisbon ] 2003/08/11 17:21
    Gostei muito de ler este texto. Ajudou-me a esclarecer algumas dúvidas que tinha acerca da adopção de gatos adultos. Mas, realmente, há sempre uns "ingredientes mágicos" para os receber bem num novo lar: paciência, amor e persistência. E tudo em grandes doses. smile.gif
    Parabéns por este magnífico texto.
    Patrícia F.

    » Inner_Silence ( Leonor Calaça) » [ Europe/Lisbon ] 2003/08/06 20:00
    Este texto está fantástico! Está extremamente informativo e acho que contribui mesmo para desmistificar as crenças em torno da adopção de gatos adultos... Acho que o meu gato preferia a companhia de um felídeo adulto, e não de um "bebé chorão"...

    » Becas ( Fernanda Ferreira) » [ Europe/Lisbon ] 2003/08/06 13:48
    Parabéns pelo texto...Para mim o melhor sinal de um gato feliz e bem tratado, são aqueles olhos brilhentes, que até parecem sorrir.. Fernanda

    » Binoche ( AnaC) » [ Europe/Lisbon ] 2003/08/05 23:54
    Parabéns Adélia, está muito bom o texto. Espero que venha ajudar a "abrir os olhos" a muita gente. E olha os nossos meninos... estão todos catitas! Ana C
    TERMOS DE USO | Regras de Utilização | Felinus e Cia. - © 2001 - 2017 Equipa Felinus