Anúncios | Artigos | Galeria |  Fórum   | Eventos | Utilizadores | Top | Raças | Diários | Quem?

Utilizador:
Password:
Memorizar-me


== ARTIGOS ==
Site Felinus
Lazer
Entrevistas
Clipping
BD
Newsletters
Encontros
Ajuda
Notícias
Sobre o Site
Informação
Raças
Conselhos
Legislação
Notícias
Campanhas
Crónicas
Histórias Felizes
Ficção
Humor
Opinião
Livros
Revistas
Filmes
Lojas
Veterinários
Alimentação




Artigos  » Site Felinus » Notícias

1 em cada 100 animais pode desenvolver diabetes





Um em cada 100 cães e gatos portugueses poderá desenvolver diabetes animal (diabetes mellitus), uma doença que ainda está subdiagnosticada em Portugal e que, quando não tratada, poderá causar a morte.

Aproveitando o mês em que se assinala o dia da diabetes humana (17 de Novembro), a Intervet/Shering-Plough promove, pela primeira vez em Portugal, o “Pets Diabetes Months” (Mês da Diabetes dos Animais de Companhia), com o intuito de sensibilizar os médicos-veterinários e a população em geral. No sentido de incentivar o diagnóstico precoce da doença, a empresa associou-se ao laboratório de análises clínicas veterinárias INNO, que irá disponibilizar exames de diagnóstico a preços mais baixos. De acordo com Rodolfo Neves, médico-veterinário da Intervet/Shering-Plough, à semelhança da diabetes humana, também a diabetes animal resulta de uma produção insuficiente ou inexistente de insulina por parte do pâncreas.

Os donos dos cães e gatos devem estar alertas para os sintomas desta que é também conhecida como a doença dos 4 P’s:- Poliuria (urinar em excesso);- Polidipsia (beber água em excesso);- Polifagia (aumento do apetite);- Perda de peso Caso o animal apresente um ou mais destes sintomas, deve ser encaminhado para o médico-veterinário, que lhe fará uma colheita de sangue e de urina para verificar se há presença de glucose. “Como os animais começam a comer mais, produzem mais glucose e o rim começa a excretar glucose na urina”, explica Rodolfo Neves, acrescentando: “Se o animal não for tratado, como há um défice nutricional, perde peso, apesar de comer mais. Começa então a processar gordura, o que conduz à libertação de substâncias tóxicas, e o animal morre”. A diabetes surge sobretudo em animais de meia-idade e tem uma maior prevalência nas cadelas inteiras (não esterilizadas) e nos gatos castrados.


No caso dos cães, a diabetes causa uma perda total e definitiva das funções do pâncreas, pelo que o tratamento terá que ser feito durante toda a vida. Nos gatos, na fase inicial podem ser-lhes administrados apenas comprimidos, que induzam à produção de insulina, podendo haver uma reversão da doença. Animais com excesso de peso, uma vida sedentária ou com outro tipo de problemas no pâncreas estão mais propensos ao desenvolvimento da diabetes, sublinha Rodolfo Neves. Quando a doença é diagnosticada, o animal tem que ficar internado para que o médico-veterinário consiga determinar a dose certa de insulina a administrar. Uma vez em casa, os donos deverão administrar-lhe a dose recomendada de insulina veterinária, de 12 em 12 horas, preferencialmente antes das refeições, diz o médico-veterinário. Há também que ter a preocupação de controlar os índices de glicemia, com recurso a um aparelho semelhante ao utilizado para a diabetes humana, e de dar aos animais refeições nutricionalmente equilibradas e sempre à mesma hora.


Animais com diabetes podem levar uma vida perfeitamente normal, embora a esperança média de vida diminua e fiquem mais sujeitos a infecções.

JN, Um blogue sobre a Vida Animal por Fátima Morgado, 31 de Outubro de 2010





- Becas (Fernanda Ferreira) [ Europe/Lisbon ] 2010/11/02 09:42

Versão para Impressão Enviar a um amigo
TERMOS DE USO | Regras de Utilização | Felinus e Cia. - © 2001 - 2022 Equipa Felinus