Anúncios | Artigos | Galeria |  Fórum   | Eventos | Utilizadores | Top | Raças | Diários | Quem?

Utilizador:
Password:
Memorizar-me


== ARTIGOS ==
Site Felinus
Lazer
Entrevistas
Clipping
BD
Newsletters
Encontros
Ajuda
Notícias
Sobre o Site
Informação
Raças
Conselhos
Legislação
Notícias
Campanhas
Crónicas
Histórias Felizes
Ficção
Humor
Opinião
Livros
Revistas
Filmes
Lojas
Veterinários
Alimentação




Artigos  » Informação » Notícias

Peles de cães e gatos vendidas como sintéticas

Peles de cão e gato de importação têm sido introduzidas no mercado comunitário não declaradas como tais, falsamente identificadas como peles sintéticas ou como sendo provenientes de outros animais, como o lobo e o coelho. Às quais foram dados vários usos, em vestuário, acessórios, tapetes, brinquedos, entre outros produtos. Ontem, a Associação Francesa e Internacional para a Protecção Animal divulgou em Bruxelas documentos compilados no âmbito de uma queixa judicial nos quais se identificam várias empresas europeias acusadas de traficarem peles de cão e gato. Nesta lista está a empresa portuguesa Maria José Peles Lda., de Lisboa.

Contactado pelo JN, Manuel Ventura, que se identificou como proprietário da firma, negou alguma vez ter comercializado peles dos referidos animais. Além disso, garantiu nunca ter sido alvo de qualquer intervenção judicial nem de contactos com entidades comunitárias. "Só comercializo peles naturais de raposa, vison e astrancã, que importo da Alemanha", afirmou o comerciante, que há 15 anos está ligado à empresa sob suspeita.

Segundo a Comissão, a grande maioria destas peles são importadas de países terceiros, em particular da China, onde existem empresas de criação de cães e gatos especificamente para esse fim. Segundo as organizações não governamentais do sector, dois milhões de gatos e cães são mortos todos os anos para a indústria das peles. Doze a quinze cães adultos ou até 24 gatos são necessários para fazer um casaco.

A proibição ao nível europeu permitirá harmonizar as práticas de repressão e implica a adopção de métodos de detecção para distinguir as peles de gato e cão das de outros animais, mesmo nos casos em que foram sujeitas a tratamentos químicos.

Alexandra Lobão, correspondente em Bruxelas
JN, 21/11/2006

- cmarujo (Carla Araújo) [ Europe/Lisbon ] 2006/11/22 19:41

Versão para Impressão Enviar a um amigo
TERMOS DE USO | Regras de Utilização | Felinus e Cia. - © 2001 - 2018 Equipa Felinus