Anúncios | Artigos | Galeria |  Fórum   | Eventos | Utilizadores | Top | Raças | Diários | Quem?

Utilizador:
Password:
Memorizar-me


== ARTIGOS ==
Site Felinus
Lazer
Entrevistas
Clipping
BD
Newsletters
Encontros
Ajuda
Notícias
Sobre o Site
Informação
Raças
Conselhos
Legislação
Notícias
Campanhas
Crónicas
Histórias Felizes
Ficção
Humor
Opinião
Livros
Revistas
Filmes
Lojas
Veterinários
Alimentação




Artigos  » Crónicas

Diário de um cão



Autor: MGM (Grala)
Cão bebé


1ª semana
Hoje completei uma semana de vida. Que alegria ter chegado a este mundo!


1 mês
A minha mãe cuida muito bem de mim. É uma mãe exemplar!

2 meses
Hoje separaram-me da minha mãe. Ela estava muito irrequieta e, com seu olhar, disse-me adeus. Espero que a minha nova família "humana" cuide tão bem de mim como ela o fez.


4 meses
Cresci rápido, tudo me chama a atenção. Há várias crianças na casa e para
mim são como "irmãozinhos ". Somos muito brincalhões, eles puxam-me o rabo e eu mordo-os na brincadeira.

5 meses
Hoje deram-me uma bronca. A minha dona ficou incomodada porque fiz xixi dentro de casa. Mas nunca me haviam ensinado onde deveria fazê-lo. Além do que, durmo no hall de entrada. Não deu para aguentar!!!


Autor: MJGM (Maria João Martins)
Zuca um Cão feliz



8 meses
Sou um cão feliz! Tenho o calor de um lar; sinto-me tão seguro, tão protegido...
Acho que a minha família humana me ama e me dá muitas coisas.
O pátio é todinho para mim e, às vezes, excedo-me, cavando na terra como meus antepassados, os lobos quando escondiam a comida.
Nunca me educam... Deve ser correcto tudo o que faço.








12 meses
Hoje completo um ano.
Sou um cão adulto. Os meus donos dizem que cresci mais do que eles esperavam.


13 meses
Hoje acorrentaram-me e fico quase sem poder movimentar-me onde tem raio de sol ou quando quero alguma sombra. Dizem que me vão observar e que sou um ingrato. Não compreendo nada do que está a acontecer.


15 meses
Já nada é igual... moro na varanda. Sinto-me muito só. A minha "mãe humana" já não me quer! Ás vezes esquecem-se que tenho fome e sede.
Quando chove, não tenho tecto que me abrigue...

16 meses

Hoje tiraram-me da varanda. Estou certo de que a minha família me perdoou.
Eu fiquei tão contente que pulava com gosto. O meu rabo parecia um ventilador. Além disso, vão levar-me a passear!!
Dirigimo-nos para a estrada e, de repente, pararam o automóvel.
Abriram a porta e eu desci feliz, pensando que passaríamos o nosso dia no campo.
Não compreendo porque fecharam a porta e se foram. "Ouçam, esperem!" Ladrei... esqueceram-se de mim... Corri atrás do carro com todas as minhas forças. A minha angústia crescia ao perceber que quase perdia o fôlego. Eles não paravam.

17 meses
Procurei em vão achar o caminho de volta ao lar.
Estou só e sinto-me perdido! No meu caminho existem pessoas de bom coração que me olham com tristeza e me dão algum alimento. Eu agradeço-lhes com o meu olhar, desde o fundo da minha alma. Eu gostaria que me adoptassem: seria leal como ninguém! Mas apenas dizem: "pobre cãozinho, deve ter-se perdido."

18 meses
Um dia destes, passei perto de uma escola e vi muitas crianças e jovens como os meus "irmãozinhos" aproximei-me de um grupo e um deles, rindo, atirou-me uma chuva de pedras "para ver quem tinha melhor pontaria".
Uma dessas pedras, feriu-me o olho e então, não vejo com ele.

Autor: AnaC (Binoche)
Cão tristonho num canil
19 meses
Parece mentira. Quando estava mais bonito, tinham compaixão de mim.
Já estou muito fraco; meu aspecto mudou. Perdi o meu olho e as pessoas mostram-me a vassoura quando pretendo deitar-me numa pequena sombra.

20 meses
Quase não posso mexer-me! Hoje, ao tentar atravessar a rua por onde passam os carros, um acertou-me! Eu estava no lugar seguro chamado "passeio ", mas nunca esquecerei o olhar de satisfação do condutor, que até se vangloriou por acertar-me.
Oxalá me tivesse matado! Mas só me deslocou as patas traseiras! A dor é terrível! As Minhas patas traseiras não me obedecem e com dificuldade arrastei-me até a relva, na beira do caminho. Faz dez dias que estou debaixo do sol, da chuva, do frio, sem comer.
Já não posso mexer-me! A dor é insuportável! Sinto-me muito mal, fiquei num lugar húmido e parece que até o meu pêlo está a cair.
Algumas pessoas passam e nem me vêem; outras dizem:
"não te chegues perto!" Já estou quase inconsciente; mas alguma força estranha me faz abrir os olhos. A doçura de sua voz fez-me
reagir. "Pobre cãozinho, olha como te deixaram", dizia...com ela estava um senhor de avental branco. Começou a tocar-me e disse: "Sinto muito senhora, mas este cão já não tem remédio.
É melhor que pare de sofrer".
A gentil senhora, com as lágrimas rolando pelo rosto, concordou.
Como olhei-a, agradecendo-lhe que me ajudasse a descansar.
Somente senti a picada da injecção e dormi para sempre, pensando em porque tive que nascer se ninguém me queria.

Autoria:
Desconhecida

Reflexão:
A solução não é abandonar um cão na rua mas sim educá-lo.
Não transformem em problema, tão grata companhia. Abram a consciência dos ignorantes, e assim podemos acabar com os maus tratos aos animais, especialmente com o problema de cães e gatos de rua.
Este sim, é daqueles textos que deves passar a quantas mais pessoas puderes.
Se enviar uma piada é fácil, nada te custa fazer divulgar esta mensagem humanitária também.

Se gostas de cães tanto como nós, vais ter a reacção mais correcta!

- xili (filipa) [ Europe/Lisbon ] 2006/02/11 22:35

Versão para Impressão Enviar a um amigo

» selenis ( Rute) » [ Europe/Lisbon ] 2006/03/19 23:40
Esta história dói de tão verdadeira que é, mas infelizmente as pessoas que o fazem são imunes a qualquer tipo de sensibilização...

» catarinaj ( Catarina Jorge) » [ Europe/Lisbon ] 2006/02/14 17:13
Já li esta historia vezes sem conta...e em todas as vezes rolam lágrimas pelo meu rosto.
Essas lá grimas deviam transformar-se no sangue daqueles que maltratam e abandonam os seus amigos. (perdoem-me o desabafo, mas não me consigo controlar nestes momentos)

» Papaçordas ( Cecília Freitas) » [ Europe/Lisbon ] 2006/02/14 12:37
Esta história repete-se vezes sem conta, todos os dias, todos os anos... mas fica-me sempre um nó na garganta, um gosto amargo na boca e uma sensação de dor no peito, pela força que tenho que fazer para não chorar. Onde estou, não o posso fazer.
Raça ingrata e desuma, a nossa!!!!!!!!!

» Chico ( Marta) » [ Europe/Lisbon ] 2006/02/13 11:41
A mesma coisa que a Ana Antunes disse sad.gif

» anajorge ( Ana Antunes) » [ Europe/Lisbon ] 2006/02/13 09:35
Já nem consigo ler esta história porque há muito que a conheço, mas tenho sempre lágrimas para chorar.
TERMOS DE USO | Regras de Utilização | Felinus e Cia. - © 2001 - 2022 Equipa Felinus